47. autoretrato

Aug 8, 2016
recomeço. eu decidi que a partir de agora eu sou meu próprio jardim, ando cuidando com zelo de todas as flores dentro de mim. tanta coisa mudou nos últimos meses, passei a comer direito. 
saí do 44 pro 38, mudei o corte de cabelo. troquei o perfume favorito. em resumo, passei a me regar diariamente, fazer fotossíntese de sentimentos bons. ando me amando muito, morena. 
e, sinceramente, a minha companhia me basta. é como dizem por aí, pra gente amar direito tem que aprender a se amar primeiro. 

te cuida, aproveita o sol desse brasilzão por aí. 


mr. tambourine man.


o bilhete de despedida

Dec 13, 2015
talvez seja tudo culpa dessa minha memória chata que não me deixa esquecer essas coisas, mas estamos aí. dia 10. dois meses. 60 dias.
o tempo voa, parece que te conheço há bem mais tempo que isso.
em sessenta dias fomos de estranhos à próximos. de próximos à quase estranhos.
a vida tem dessas coisas. a pessoa certa na hora errada. a pessoa errada na hora certa.
mas esse bilhete é só pra expurgar essa vontade de te dizer o quanto tu és admirável.
ah, esse bilhete também é um adeus.


não que eu esteja prevendo que nunca mais nos veremos, espero pelo contrário. Mas essas coisas a gente não controla, querer não significa poder.
a única certeza que tenho, hoje, é a de que sentirei saudade de esbarrar com você no corredor e de ganhar um 'oi'. coisa boba. Mas eu sou assim, um bobo. Não é? hehe
É nós detalhes que encontro os momentos mais felizes, felicidades em cápsulas. E você fez parte de alguns dos mais importantes de doismilequinze, e decidi que até o fim dele serei teu. Até 31 de dezembro de 2015 eu sou teu. Mesmo de longe.

um abraço apertado, como aqueles que costumávamos compartilhar enquanto ninguém estava olhando.

fique bem, se agasalhe direito no frio canadense que queima a ponta do nariz.

do (ainda) teu anjo,
E.

45

Nov 7, 2015
Oi flor, esta é a última carta que te escrevo. Quando você estiver lendo isso, já estarei longe. Sim, eu tô indo embora. Tudo na cidade cinza me faz lembrar você e não sei por quanto tempo mais aguento isso. Eu te plantei, reguei, cuidei... mas no final meu jardim era feio e cheio de cicatrizes demais para você chamar de lar. Então, eu tô indo embora. Eu não vou voltar. Lembra quando ele disse que certas coisas ficam mais bonitas quando viram lembranças? A sua ainda me dói, mas um dia isso passa. Ao menos, é o que todo mundo fica me dizendo. Espero que teu novo jardineiro entenda tudo o que você significa. P.s: cuidado com as lagartas. Adeus.

44

Aug 23, 2015
Vermelho. Nasceu a flor mais linda no jardim, dentre todo o sal que usei de armadura ela foi calma e delicada o suficiente pra se infiltrar ali. Ela adora brincar de esconder, as vezes some. E machuca. Quantas flores devem espinhar meu coração até eu parar de escrever esses textos decadentes?